• Bem vindo ao nosso novo site. Conheça nossa loja virtual, acesse Shop

Mangroovee

Mangroovee no Ar #52: Jay Dilla, Elza Soares, Brazilian Groove Band e Bob Marley

Seguimos firme e forte na batalha aqui desse lado para deixar vossa senhoria por dentro de tudo o que ecoou na edição de número 52 do Mangroovee no Ar. Transmitido pela Rádio Educativa FM no dia 8 de fevereiro, o capítulo em questão prestou homenagem aos totens Jay Dilla e Bob Marley, que completariam aniversário na semana em que nossa atração foi ao ar. Enquanto o primeiro bloco embala o radinho com produções de Jay Dee para The Pharcyde, Little Brother e Mood, o segundo chega com três clássicos de autoria da lenda jamaicana. Completamos a missão na tranquilidade e ainda selecionamos a rainha Elza Soares, Baiana System, Brazilian Groove Band e Helio Matheus. Você só precisa apertar o play para deixar a quinta-feira muito melhor.

Trocando ideia #16: O singjay Likkle Jota e a cultura Sound System

Oriundo da cidade de Coroados, no interior do Estado de São Paulo, Likkle Jota é um dos singjays – combinação de cantor e deejay – que vem ganhando cada vez mais espaço nos bailes promovidos por diferentes equipes de todo o país. Depois de passar alguns anos residindo em Campinas, o cantor mudou-se de vez para a capital paulista, onde coleciona apresentações ao lado de nomes como Quilombo Hi Fi e SmokeDub Posse, além de lançar os discos Ioruba Nation, de 2016, e Style N Fashion, que foi retirado do forno no último mês de março. Likkle ainda traz no currículo faixas com instrumentais assinados por Jeff Boto (Dubatak) e dubplates cortadas para sistemas de som como DeSkaReggae, Favela SS, Paz & Dub e Muamba Sounds.

Trocamos uma ideia com o protagonista da história sobre o início da caminhada, cultura Sound System, referências musicais e por aí vai. Aperte o play para conhecer o trabalho enquanto você lê mais uma entrevista na matriz do mangue.

1 – Você canta muito bem nas produções de reggae digital e também chega pesado nas sessões ao lado dos sistemas de som. Quando começou sua caminhada na música jamaicana e como surgiu a parceria com os Sound Systems?

Likkle Jota: Primeiramente, quero mandar um grande salve ao Mangroovee. É uma honra poder trocar essa ideia com vocês. Eu canto já faz um tempo e tive a chance de trabalhar com gêneros musicais como rap, samba, mpb, entre outros. Até que em 2013, quando fazia parte de um grupo chamado A RUA’NDA, fui em uma festa em Campinas, onde Flavio Rude, do Muamba Sounds, estava tocando reggae music. Me liguei que ele lançava vários instrumentais e perguntei se podia cantar. Desde então nunca mais parei. Ele me apresentou boa parte do que conheço hoje em matéria de Sound System. Também comecei a vir para São Paulo e o primeiro sistema que vi em ação foi o KASDUB, na pista de skate em Tiquatira.

2 – Ainda falando sobre a cultura Sound system, na sua opinião, qual a importância dela para o cenário do reggae nacional?

Likkle Jota: É crucial em vários aspectos. O sistema de som agrega conhecimento, referências históricas e um grande acervo musical. Acredito que as músicas tocadas nas vitrolas das festas de reggae trazem uma realidade mais próxima daquilo que vivemos no nosso cotidiano. Isso faz com que a gente coloque em prática algumas atividades que os jamaicanos também fizeram na ilha, mudando, de uma certa forma, a mensagem que chega até a sociedade.

3 – Quais são suas principais referências em matéria de emcees e produtores na música jamaicana?

Likkle Jota: Tenho como referência muitos singjays, gosto da gama de cantores vindos da Jamaica. Eccleton Jarret, Garnet Silk, Dennis Brown, Junior Reid, Nitty Gritty e outros. Além dos grandes deejays que me fogem a conta. Tenho muito respeito pelo trabalho do Knomoh (Quilombo Hi Fi), que foi quem me acolheu, produziu meus trabalhos e de vários outros artistas brasileiros. Falando sobre as produções internacionais, gosto muito do Mad Professor, Martin Cambpell e King Tubby. São mágicos.

4 – Você já comandou o microfone em diferentes bailes no Brasil. Entre todas essas combinações de som, qual foi a sessão que mais ficou marcada na memória?

Likkle Jota: Essa é difícil. Se tratando das sessões ao lado dos sounds, é muito raro quando não bate pesado. Todo baile tem sua particularidade, aquele momento que fica cravado na mente, principalmente quando canto com pessoas que deram inicio à divulgação dessa cultura no Brasil, os professores. Agradeço todas as oportunidades que foram concedidas até agora.

5 – O disco Style N Fashion apresenta novamente sua dobradinha com o produtor paulistano Jah Knomoh, que também trampou ao seu lado no registro Ioruba Nation, de 2016. Qual a importância dele em todos esses processos?

Likkle Jota: O Knomoh foi o primeiro produtor a acreditar no meu trabalho. Ao longo do tempo criamos uma amizade, morei na casa dele e vimos que gostamos de muitas coisas em comum. Somos pretos e temos a natureza como referência da luta e da força maior. Ele me ajudou muito na evolução como cantor e me ensina constantemente sobre vários aspectos do Sound System. Respect, Knomoh.

6 – Como foi todo o processo do seu mais recente álbum, Style N Fashion, e qual foi a sensação de colocar o registro na rua?

Likkle Jota: Após o lançamento de Ioruba Nation, de 2016, que é um disco mais voltado para a mensagem, bem roots music, tive a necessidade de criar algo que fizesse o povo esquecer um pouco dos problemas. Vivemos em uma babilonia que entristece, precisamos de um momento de diversão para o Eu e Eu. Resolvi homenagear os anos 80 do reggae, trazendo como referencia produções, temas e melodias da época. Após um trabalho de seis meses com riddins nacionais e internacionais, me vi na obrigação de colocar o trabalho na rua e nas plataformas digitais. Todo esse processo é muito difícil para artistas independentes, então criei um material humilde, mas de respeito, que estou entregando nos shows. A sensação final de dever cumprido é maravilhosa. Estou muito feliz com o resultado.

7 – Agora é com você, Likkle. Quem tiver afim de ter uma dubplate e levar o LJ para cantar no baile precisa fazer como? Quais são os seus contatos?

Likkle Jota: Muito obrigado pelo suporte, Mangroovee. Geral pode escutar minhas músicas nas plataformas digitais. É só pesquisar Likkle Jota no YouTube, SoundCloud, Spotify, Google Play, iTunes e por aí vai. Contatos para shows e dubplates: descendentedeleao@gmail.com ou pelo telefone (11) 9 4221-7442. Big Up e saúde a todos.

Likkle Jota

Assista ao vídeo da faixa O Vigia, da Três Pontos Records, de São José do Rio Preto

Camaradas de longa data aqui do Mangroovee, os amigos do selo Três Pontos Records colocaram ontem na rede o mais recente trabalho audiovisual da gravadora oriunda da cidade de Rio Preto, no interior de São Paulo. Nossos conterrâneos Coleti, Drop e Benfa mostraram que a caneta continua em dia e chegaram com muita categoria em cima do beat da faixa The Watcher, presente no clássico disco 2001, do mestrão Dr Dre. Os ex-integrantes do coletivo Reticência mandaram o papo reto sobre o atual momento do rap nacional, fazendo boas observações em relação ao novo público da cena e também sobre vários emcees que cagam pela boca. Você só precisa chegar no player abaixo para se ligar no clipe produzido pela DK Records e ver como os amigos da nossa cidade trabalham. Se vossa senhoria gostar do resultado, encoste no final do post e acesse os links para escutar o EP InTRAPdo, do Coleti, e o álbum IndiviDUAL, do Benfa & Drop.

Três Pontos Records | EP InTRAPdo | IndiviDUAL | DK Records

Pegue carona com o produtor Bolin na beat tape Monzavinho

Primeiro trabalho lançado pelos amigos da Beatwise Recordings em 2017, a trilha Monzavinho, do Bolin, chamou nossa atenção bem antes da audição. O produtor da cidade de Santo Andre gerou grande expectativa por aqui depois de estacionar e emplacar a nave na cabulosa capa assinada pelo designer Thomas Bruck. Após manobrar o clássico modelo da Chevrolet, o beat maker equalizou os falantes, abriu as portas do carro e apertou o play para embalar a sessão com os instrumentais assinados por ele.

Acostumado a trabalhar com nomes como Jamés Ventura, Arnaldo Tifú, Diomedes Chinaski e Coruja BC1, Bolin faz sua estreia oficial em um trabalho solo nas produções presentes em Monzavinho. Além do remix da faixa O Amanhecer, do Elo da Corrente, ele também climatiza a jornada com outras seis tracks embaladas em baixos bpm’s. Entre todo o repertório, destacamos os sons Jazzy, Journey To High Vibrations, Sex e Pra Sempre. Se quiser pegar carona na viagem, chega no play abaixo para dar um rolê no carango do Bolin pelas ruas do ABC Paulista. Você pode – e deve – fazer o download do registro na BandCamp da Beatwise. Valorize o trabalho independente!

Bolin | Beatwise Recordings

O MC Djonga chega com os dois pés na porta no disco Heresia. Ouça na íntegra

Não é tarefa fácil se destacar em um grupo onde os outros integrantes são Fabrício FBC, Clara Lima, Hot, Oreia e Coyote Beatz. E é exatamente isso que o Djonga consegue fazer com suas rimas na DV Tribo, uma das bancas mais originais da atual cena do rap tupiniquim. O MC de Belo Horizonte ecoou pela primeira vez nas caixas do mangue no som O Bom Maluco, produzido pelo lendário DJ Hum. Mas foram as participações dele no cypher Poetas no Topo, no remix Atleta do Ano, do MOB 79, e, principalmente, as linhas no single Diáspora que chamaram bastante nossa atenção. Citando referências da sétima arte como Tarantino e Spike Lee, além de escritores do calibre de Pablo Neruda e Mário Quintana, Djonga sempre chega pesado na caneta e ainda tem muita habilidade na hora de deslizar a levada sobre os beats.


Toda essa versatilidade fica comprovada mais uma vez nas 10 faixas do disco Heresia, que marca a estreia do mineiro em um registro solo. Lançado ontem pelo selo Ceia Ent, o álbum já encosta bem elegante na capa fazendo referência ao clássico disco Clube da Esquina, de Milton Nascimento e Lô Borges, além de ser embalado com batidas assinadas por Pizzol, Coyote, El Lif, DJ Murilo, DK Cost e Slim Beatz. Enquanto vários produtores somaram nos instrumentas, Djonga segurou a bronca praticamente sozinho nas linhas e convidou o BK para fazer o refrão de O Mundo É Nosso, a cantora YodaBren na track Santa Ceia e FBC tomou conta do interlúdio Irmãos de Alma.

O discurso de Djonga é uma injeção de ânimo aos seus semelhantes e coloca o dedo na ferida dos responsáveis pelas mazelas da sociedade brasileira. Independentemente da base ser trap ou boom bap, ele dispara o papo reto sem dificuldade nenhuma em todas as músicas do repertório. Entre elas, destacamos as faixas de número 3, 5, 6, 7 e 10. Aconselhamos que vossa senhoria pegue seu fone de ouvido e aperte o play para tirar suas próprias conclusões sobre a obra. E pergunta que fica é: “Como você se sente vendo um preto em ascensão?”.

Trocando ideia #15: O produtor baiano Dr. Drumah e a beat tape 90 Mindz

Nosso camarada Jorge Dubman é um mano muito versátil quando o assunto é música. Além de ter feito parte de projetos como Paraum, Dubstereo e Rádio Mundi, o baiano de Salvador também comanda as baquetas do super combo IFÁ e ainda encontra tempo para lançar instrumentais sob a alcunha de Dr. Drumah. Ele já passou na matriz do Mangroovee na companhia de todas essas bandas, mas é a primeira vez que o pseudônimo do baterista desembarca aqui no site com os beats na bagagem. Lançada pelo selo 77 Rise Recordings,  dos EUA, a beat tape 90 Mindz apresenta 16 instrumentais cheios de elementos da época de ouro do ritmo e poesia. Não vamos nos alongar demais na introdução porque trocamos uma ideia com o protagonista da história e a conversa rendeu bastante. Então aperte o play para escutar o registro e tenha uma boa leitura. Salve, Dubman!

1 – Como o próprio nome 90`s Mindz sugere, a sonoridade da trilha é totalmente influenciada pela era de ouro do rap. O registro traz vários recortes de nomes do peso de Pharcyde, A Tribe Called Quest e Common, além de caixa e bumbo bem calibrados. Quais outros artistas dessa época do rap também te influenciaram? E quais nomes da nova geração também fazem sua cabeça?

Dr. Drumah: Minha intenção foi resgatar a sonoridade da Golden Era. Passei quase um ano pesquisando timbres e estudando como os produtores da época cortavam os samplers, que na sua maioria eram mais de um corte com várias combinações. Todo o processo foi importante para conseguir implantar essa atmosfera na tape. Outros artistas da época que também me influenciaram e me influenciam até hoje são Pete Rock, Buckwild (D.I.T.C.), Lord Finesse, DJ Premier, Nick Wiz, Large Professor, DJ Spinna e J Dilla. Da nova geração tem uma galera nova muito boa que costumo escutar, como o Figub Brazlevic, Budamunk, Illsug, FloFilz, Elaquent, Ras G, Shungu, Wun Two, Lewis Parker e BlabberMouf.

2 – Falando especificamente sobre beats brasileiros, quais produtores nacionais apresentam um bom trabalho na sua opinião?

Dr. Drumah: Aqui no Brasil também tem uma galera responsa. O Sono TWS, O Tiago Frúgoli, Abud, Rodrigo Tuchê, Eduardo SantozBeatwise Recordings, Calmão (Mental Abstrato), Shaolin Drunk Monk, DJ TG, Sala 70, Cabes, Lucas Pizzol, Jr. Wize, a galera da Casa Brasilis, entre outros. O Brasil precisa conhecer o Brasil.

3 – Em relação ao processo criativo da beat tape, você gravou tudo em Salvador e ia trocando ideia com os caras da gravadora pela internet? Mandou tudo pronto? Como foi?

Dr. Drumah: Produzi e mixei tudo no Kzah 04 Records, meu laboratório aqui em Salvador. Já tinha enviado uma versão pronta de como seria mais ou menos o álbum e eles me deram um prazo para finalizar o processo de mix/máster, além de alguns instrumentais que fui atualizando. Eles já sabiam qual era a proposta sonora do disco e me deram total liberdade para trabalhar. Produzi 70% dos beats no FL Studio e os outros 30% foram feitos na MPC 1000 e na SP-303.

5 – 90`s Mindz é seu primeiro trampo lançado pela 77 Rise Recordings. Como aconteceu esse encontro entre você e a gravadora? E como está sendo lançar a beat tape com o suporte dos caras?

Dr. Drumah: Isso tudo se deve ao Sono TWS, amigo responsável por fazer essa ponte e tornar a possibilidade real. Falei que estava fazendo um trabalho focado na década de 90 e queria muito lançar no formato cassette. Ele pediu para escutar e ficou de mostrar para alguns contatos dele na gringa. Certo dia ele me escreveu dizendo que o pessoal do 77 Rise Recordings tinha gostado muito e queria fazer o lançamento da trilha. O Matt Bloom, um dos sócios do label e que também é beatmaker, entrou em contato comigo e acertamos tudo.

Está sendo ótimo lançar por um selo de outro país. Já produzi algumas trilhas para artistas da cena alternativa dos EUA e Europa (Marchitect of The 49ers, Glad2Mecha, Melodiq) , mas sem essa experiencia de ter o suporte de uma gravadora, saca? Eles fazem uma ótima divulgação de todo o trabalho e conseguem atingir o público certo. A pré-venda e o feed back estão sendo ótimos. Espero que ainda venham outros trabalhos.

6 – Quem tiver afim de pegar uma cópia física precisa ficar ligado em quais endereços?

Dr. Drumah: É só entrar em contato comigo através da page Dr. Drumah & Kzah 04 Records ou no meu perfil pessoal Jorge Dubman. Lembrando também que quem quiser adquirir a fita cassette, pode fazer o pedido diretamente no BandCamp da 77 Rise Recordings.

Dr. Drumah | 77 Rise Recordings

Ouça a mixtape que celebra os 10 anos do selo Analog Africa

Os parceiros do site Radiola Urbana deram a letra e encostamos no endereço deles para conferir a mixtape feita pelo selo alemão Analog Africa em comemoração aos 10 anos da gravadora. Pautada pela incansável pesquisa dos caras atrás do que existe de melhor em matéria de música africana, a seleção 10 Years of Analog Africa Mix apresenta a seleção de Samy Ben Redjeb, cérebro por trás do label situado na cidade de Frankfurt, e do DJ Pedro Knopp. O play foi disponibilizado no Mixcloud do The Vinyl Factory, outro portal bem louco que também merece sua atenção, e deve ser conferido por vossa senhoria a partir de agora. Fique à vontade para chegar no player e embarcar diretamente para as férteis terras da Mama África.

Analog Africa

Escute e baixe a mixtape feita pelo DJ Makô para a marca Nation Creation

Maluco sangue bom que sabe muito sobre a arte dos toca-discos, o paulistano DJ Makô era o responsável por girar os pratos no lendário coletivo Subsolo e, atualmente, comanda as carrapetas do grupo Ordem Natural. Além disso, Makoto também apresenta um trabalho muito bem feito em matéria de instrumentais e ainda mantém o nível lá em cima quando o assunto na pauta é mixtape. Depois de lançar a excelente Brazilian Mixtape: Eu Sou Daqui!, o deejay foi convidado pela marca Nation Creation para desenrolar o play Underground Culture. A collab entre os dois rendeu uma camiseta e é outra parceria estabelecida pela empresa de street wear, que também coleciona parceria com nomes como Don Cesão, Rodrigo Brandão e UKYIO Beat Tapes.

O próprio Makoto explica melhor o processo de criação: “Quase todas as músicas foram retiradas de vinis com excessão do som Good Times, cedido pelo ROE, MC que conheci pelo Instragram e achei que tinha a ver com a vibe do projeto. Além das faixas A Tarde Chuvosa (Quinto Andar, 2008), remix feito em parceria com o MC Lum, e Nutshell, do finado Phife (RIP), cuja a base é produzida pelo J. Dilla. A arte do encarte ficou na conta do artista japonês Essu, de Tokyo“.

É só chegar no play e arrematar vossa cópia virtual dentro do próprio player do SoundCloud.

DJ Makô | Nation Creation

Mangroovee no Ar #49: Thiago El Niño, Jards Macalé, DuSouto, The Officials e Luiz Melodia

Já estamos quase chegando até o simbólico episódio de número #50 na Rádio Educativa FM, de São José do Rio Preto. Muito louco ver como a transmissão alcança pessoas de todos os perfis possíveis e alastra a boa música em todos os cantos da nossa cidade natal. A sessão #49 traz novas faixas do produtor Vanilla e do MC Thiago El Niño, além de sons assinados por Outkast, Jards Macalé, Du Souto, Luiz Melodia, The Officials, Abayomy, Judah Eskender Tafari, Black Uhuru e The Officials. Você também pode escutar todos os trabalhos em nossa página no Mixcloud e/ou no portal dos camaradas do Hempadão Hempada. Valeu todo mundo que fortalece!

Trocando ideia #14: O MC Matéria Prima lança o vídeo de Sai Na Marra

A última semana foi bastante agitada porque estávamos correndo com a produção do nosso primeiro baile na Praia da Pipa, no Rio Grande do Norte, onde estamos morando desde o início de 2016. E como já nos recuperamos da celebração, voltamos aos trabalhos virtuais para atualizar o site com a mais recente entrevista feita pelo mangue. Referência no nosso expediente desde sempre, o Matéria Prima, ex-integrante dos coletivos Quinto Andar e Subsolo, é mais uma vez a bola da vez na matriz.

Depois de lançar no mês passado o excelente disco 2 Atos, que traz produção musical na conta de Gui Amabis (Instituto), o MC mineiro abasteceu o YouTube no último dia 15 com o excelente clipe da faixa Sai Na Marra. Assinado pelo diretor Gustavo Amaral, responsável por dirigir também o clipe de Hahaha, do Rodrigo Ogi, o vídeo embala a levada de Matéria Prima com várias imagens de filmes blaxploitation.

Tínhamos trocado uma ideia com o protagonista da história em janeiro, logo depois do lançamento do álbum, mas devido à correria de ambos os lados, só conseguimos colocar agora a conversa no ar. Então chega no play para conferir a produção audiovisual e escute o álbum completo enquanto você lê a entrevista.

1 – A gente tá ligado no seu som desde a época do Quinto Andar. Você também fez parte do Subsolo, lançou EP e disco em carreira solo, além do trampo nos vocais da banda Zimun. Todos esses trabalhos sempre foram ligados ao rap. O disco 2 Atos bebe dessa fonte, mas você também sai da zona de conforto nas composições e solta a voz sobre diferente instrumentais, principalmente nas cinco primeiras faixas. Como foi o processo de criação e, na sua visão como artista, quão importante é sair dessa zona de conforto e se arriscar em outros estilos musicais?

Matéria Prima: Não estagnar. O risco se dá pela necessidade de descobrir os limites. O rap é um emaranhado de influências e a gente pode se espelhar de uma forma mais nítida em uma ou outra. O processo de criação é o reflexo disso. Esse disco foi feito em parceria com Gui Amabis na produção e participaram também Regis Damasceno, Dustan Gallas, Rica Amabis e Samuel Fraga. Um encontro muito interessante para fazer música, ainda mais vindo do rap, em que tudo é mais instintivo. Faço parte do Zimun, de Belo Horizonte, que ao longo do corre me proporcionou mais maturidade no desenvolvimento tanto da escrita quanto no canto.

2 – Na faixa 9, Sai na Marra, você cita o OGI, um dos nomes do rap nacional que também consegue transitar com naturalidade por diferentes vertentes sonoras. Na sua opinião, quais outros artistas da cena tupiniquim fazem isso de maneira bem feita?

Matéria Prima: Sombra, Criolo, Tassia Reis, Neto (Síntese), Black Alien, Lurdez da Luz, Elo da Corrente, Rodrigo Brandão, são alguns que experimentam e transitam bem entre outras vertentes sonoras.

3 – Ainda falando sobre o universo fora do rap. O que você escuta direto que os fãs das suas rimas não imaginam?

Matéria Prima: Porra, um monte de coisa. Tem fases. Tem hora que é puro rap, tem outra que é Christopher Cross, Chicano Batman, Little Beaver, Juçara Marçal, Gilberto Gil, Kiko Dinucci e por aí vai.

4 – O rap de Belo Horizonte também vem sendo muito bem representado por bancas como DV Tribo e Posse Cutz. Quem mais aí da área merece uma atenção especial?

Matéria Prima: Abu, Castilho, Well, Roger Deff, Shabê, Kainna Tawa, Tamara Franklin, Douglas Din e Kali. Somente citando alguns que estão na cabeça agora.

Matéria Prima | Zimun