Mangroovee no Ar #58: 10 Anos do disco Superação, do Contra Fluxo

Durante os 7 anos de caminhada do Mangroovee e os 28 de vida desse que vos escreve por aqui, o disco Superação, do Contra Fluxo, é, com certeza, a trilha número 1 do nosso expediente. Escutamos todo dia pelo menos uma faixa do clássico álbum duplo lançado em 2007 pelo grupo paulistano formado por Mascote, Ogi, Munhoz, Dejavu e DJ´s Big Edy e William. Aproveitamos o aniversário de 10 anos do registro e acionamos nosso camarada Mascote para tirar do forno uma edição especial do Mangroovee no Ar sobre uma década de vida do trabalho em questão. Além do integrante do Contra, também trocamos ideia – via whats app – com Rodrigo Brandão, Dario Beats e Jamés Ventura, que são alguns dos convidados da trilha.

Gostamos bastante do episódio abaixo. É louco demais ter o aval dos caras e ajudar a propagar um trabalho tão importante na história do mangue. Logo mais, a partir das 22h, você vai poder conferir no rolê de carro a sessão na Rádio Educativa FM. Porém, se tiver afim de conferir agora, é só chegar no play. Gostaríamos de agradecer a todo mundo que fortalece nosso trabalho. Um salve especial para Mascote, Rodrigo Brandão, Jamés Ventura e Dario Beats, que toparam fazer essa edição. Vida longa ao Contra Fluxo e a todos aqueles que fazem música com o coração.

Mangroovee no Ar | Contra Fluxo

Trocando Ideia #18: Red Lion estreia com o excelente EP De Onde Eu Vim

Retirado do forno da Família Macaroni no final do último mês de abril, o EP De Onde Eu Vim marca a estreia do MC Red Lion em um trabalho de estúdio. O registro apresenta o leão vermelho oriundo do Jardim Zaíra, bairro da cidade de Mauá, deslizando a levada em cinco instrumentais assinados por DJ B8 (ProjetoNave), Jeff Botto, Fya Sound e Amanajé Riddims. Se você já teve a chance de ver o mano comandando o baile ao lado de equipes de som como J*Z Sound System e Paz & Dub Seletores, vossa senhoria deve ter percebido que Red Lion é um dos mestres de cerimonias mais originais da cena. Nós já tínhamos feito contato com os manos, mas, devido ao corre diário dos dois lados, conseguimos subir somente agora a entrevista aqui na matriz do Mangroovee. Sem mais delongas, aperte o play abaixo e boa leitura.

1 – Fica bem claro no título do EP De Onde Eu Vim que você tem bastante orgulho aí da sua área, o Jardim Zaíra, em Mauá. Como foi crescer por aí e, falando especificamente do bairro, quais foram suas primeiras influencias e experiencias musicais no JZ?

Red Lion: De Onde Eu vim é a vida no Jardim Zaíra, é a cultura SoundSystem Reggae aqui do Brasil. Essas são as maiores referências para esse trabalho em matéria de geografia e sonoridade. Sou filho de nordestinos e cresci no Zaíra nos anos 90. Tinham poucas favelas nessa época e algumas ruas de barro, que eram onde eu brincava com meus primos. Também nos reuníamos muito na casa da minha avó. Era muita correria para os meus pais, mas a gente não sentia isso. Primeiro veio o Reggae. Meu tio João me levou em um show do Tribo de Jah quanto eu tinha uns 14 anos. Depois veio Bob Marley e toda linhagem roots da Jamaica. O rap estava caminhando lado a lado, com vários grupos nacionais e as coletâneas do Dinamite. E logo após isso vieram os artistas do bairro, caras que admirava e queria colar, como o Fumaça e o Fyahman do J*Z SoundSysytem, Dj Voddo e Beto Malfatti, do Triplex, entre outros. Só tinha monstro. Uma banca muito pesada e talentosa.

2 – Quão importante foi para sua formação como artista fazer parte do J*Z Sounds? E, na sua opinião, qual a importância da cultura sound system em meio ao cenário do reggae?

Red Lion: No J*Z SoundSystem eu aprendi a ser MC. Conduzir o cerimonial dos bailes, rimar em diversos estilos de riddims e gravar dubplates. O J*Z é uma grande escola pra mim. Esses dias eu estava pensando como o sistema de som é parecido com a fundação do Hip-Hop. Na minha opinião, o estilo DJ/MC SoundSystem significa liberdade. As pessoas colam nos eventos de rua exatamente pelo ambiente proporcionar isso, entende? Claro que também tem a música. O reggae ecoado pelas equipes de som é mais extenso, mais denso, tem mais amplitude.

3 – Antes do lançamento do EP, o single Quem é Essa Menina? e o som Novos Tempos, onde você chega em cima do beat do BIG, já estavam nas ruas. A gente ainda não tinha escutado você rimando em cima de boom bap e gostamos bastante do resultado. Em matéria de rap, quais são suas maiores influências e o que você anda escutando ultimamente?

Red Lion: Sempre escutei muito rap. Comecei com os nacionais, ouvindo as trilhas do Espaço Rap com meu primo Dudu. Ele também me apresentou muita coisa como Planet Hemp, Tupac, Nação Zumbi, as coletâneas do Dinamite eram dele. Depois veio a febre do Wu-Tang no Zaíra. Muito rap com o Voddo, o Edel e o Chavão. Me levaram no Indie Hip-Hop, onde conheci muita gente realmente envolvida com a cultura. Os artistas favoritos foram mudando. Hoje em dia os que mais ouço são Bryson Tiller, Russ, Drake e Travis Scott Aqui do Braza eu gosto de Flora Matos, Mano Brown, Rael e Cacife Clandestino.

4 – O EP De Onde Eu Vim é o primeiro lançamento da Família Macaroni. Conta mai como surgiu a ideia da FM e quais são os próximos planos do coletivo?

Red Lion: Família Macaroni nasceu de uma brincadeira num baile do Paz & Dub, em Franca. Acho que foi um tune do Ganja Groove que falava “HolyHoly Macaroni” e essa fita virou meio que o grito de guerra, saca? Mas parece que está se tornando algo maior. Todo mundo precisa de uma Família. Então Julio Polo e eu decidimos criar a nossa, baseada nos princípios de Lealdade, Unidade e Fraternidade. Além de ser uma fraternidade, a Família Macaroni trabalha como produtora e selo. Estamos trabalhando no lançamento do meu próximo EP e vamos anunciar muita coisa nova até o final do ano.

5 – Queríamos te dar parabéns pelo trampo. Achamos o resultado muito bom, bem original. Como foi o processo criativo do trabalho e qual a sensação de colocar o EP nas ruas?

Red Lion:  Sou muito grato pelo carinho de todos que ouvem as músicas e mandam um salve. Foi muito bom todo processo de gravação com meu mano Jeff Botto. Aprendi bastante. O dia do lançamento foi foda. Os amigos colaram aqui no estúdio. Meu primeiro disco, né? Então é muito loco ver a capa, seu nome no bagulho e tudo mais. Quero aproveitar e deixar um salve para o Premier King, que é o responsável por assinar a capa e a identidade visual do EP.

6 – Existe a possibilidade do registro sair em algum formato físico? Agora é com você, Red. Deixa seus contatos para quem quiser levar a apresentação até outras áreas do país, baixar o EP e tudo mais…

Red Lion:  O EP sai na primeira semana de agosto no formato tradicional de CD. Um salve para todo mundo do Jardim Zaíra, Mauá e todos da cultura SoundSystem, Reggae e Rap. Seguimos trabalhando. Fiquem sintonizados que muito em breve tem trabalho novo a caminho. Tamo junto Mangroovee. Muito obrigado pela oportunidade!

Red Lion | Download EP De Onde Eu Vim

História de Disqueiro é a nova série da LRG Brasil e do selo Somatória do Barulho

Além de resgatar verdadeiras bombas dos bailes tupiniquins na série de compactos Candonga, a Somatória do Barulho também trabalha sério a serviço da música brasileira lançando represses de discos do peso do clássico Rap é Compromisso, do Sabotage, Eis o Omê, de Noriel Vilela, e Coleção Nacional, do Instituto. Capitaneado pelo camarada YôKa – cabeça pensante por trás do excelente projeto Pássaro Imigrante -, o selo preparou em conjunto com a LRG Brasil uma série de ações bem loucas para comemorar o Record Store Day, celebrado mundialmente no dia 22 de abril.

O primeiro resultado da parceria foi uma série de vídeos onde DJ Abud, Rodrigo Brandão, DJ Formiga, Hugo Frasa, Luba Construktor e Peba Tropikal relatam boas histórias que aconteceram na hora do garimpo. A collab entre as marcas também deu origem a uma camiseta, uma ecobag para os discos e um pôster ilustrado com a arte assinada por João Lavieri. Se você quiser arrematar seu pack, é só acessar o link ao final do post e garantir vosso kit – por honestos R$79,90 – na pré-venda. Como se isso não bastasse, ainda vai rolar na próxima sexta-feira festa de lançamento da collab na Patuá Discos com direito a discotecagem do mestre DJ Nuts. Grande oportunidade para vossa senhoria escutar boa música, ficar no style e ainda aumentar a coleção de long plays por aí. Vai perder?





Somatória do Barulho | LRG Brasil | Pré-venda Kit LRG x SDB

Conheça melhor a arte dos toca-discos no documentário Scratch. Confira na íntegra

Se você sentiu falta das atualizações do mangue em aneiro e fevereiro, pode ficar tranquilo aí desse lado porque a correria no nosso trampo convencional diminuiu bastante e agora vamos voltar com tudo aqui no perímetro virtual. Documentário produzido no ano de 2001, o vídeo Scratch traz direção e edição assinadas por Doug Pray, que explora o mundo do DJ na cultura hip hop desde o seu nascimento. Com depoimentos de lendas do toca-discos como Q-Bert, Mix Master Mike, Craze, X-Ecutioners, Premier, Shadow, Z-Trip, Babu e Nu-Mark, o filme retrata o nascimento da técnica de turntablism inventada – há controvérsias – por Grand Wizard Theodore e traz vários outros nomes que também aperfeiçoaram bastante os scratchs. Se você costuma acessar o Mangroovee e gosta das nossas indicações, pode chegar sem medo no player abaixo porque a película vai fazer a cabeça de vossa senhoria.

A cultura sound system vive. Assista ao curta da Coleta Filmes sobre o House Sounds

Elaborado pela produtora paulistana Coleta Filmes, o curta disponível no player abaixo apresenta a caminhada da equipe de som House Sounds, baseada na Zona Sul da cidade de São Paulo. O filme retrata como eles começaram a conhecer a cultura através dos bailes do Dubversão Sistema de Som e chega até os dias atuais, em que o time formado pelos seletores Daniel Pulga e José Roberto ocupa os espaços públicos da babilônia e climatizam o ambiente com vários discos jamaicanos. Trabalho brasileiro totalmente independente. Aperte o play porque a causa é nobre e os manos merecem vossa atenção. Vida longa!

Coleta Filmes

Assista ao novo episódio da websérie Raciocínio Quebrado, do Parteum

Já fazia um ano que o mestre Parteum não atualizava o canal do Youtube com novos episódios da websérie Raciocínio Quebrado. Durante esse intervalo, ele subiu na rede o EP Campanha, a trilha Mídia Prata/Prata e o single 01.01.16. Porém, na semana passada recebemos uma notificação no email e demos de cara com o vigésimo capítulo da saga de vídeos comandadas pelo paulistano. O integrante do Mzuri Sana apresenta outra aula de audiovisual no mais recente trabalho, que entrevista o grafiteiro Flip, o diretor One9, do documentário Time Is Illmatic, além de imagens de sessões de skate, shows, trabalhos de design e vivências com o senhor Chico Benedito, avô do Parteum. Trabalho muito bem feito…

Raciocínio Quebrado

Trocando ideia #12: DJ Basim é o campeão do DMC Brasil 2016

Somando mais de 15 anos na caminhada como deejay, nosso camarada e conterrâneo Daniel Egide, o DJ Basim, é a essência do Hip Hop. Iniciou seus primeiros passos como dançarino da Super Sonic B. Boys, primeira crew brasileira a competir no mundial de breaking, em Hannover, na Alemanha, no ano 2000. Quase duas décadas depois desse feito histórico, o rio-pretense voltou até o velho continente para representar novamente o Brasil como um dos quatro elementos da cultura. Mas, agora, a história foi diferente e o sangue bom do Basa teve a missão de comandar os toca-discos na etapa mundial do DMC, o campeonato mais importante do mundo em matéria de turntable.

Aproveitamos a deixa e escalamos nosso irmão Plínio Rozani, diretor de toda a parte audiovisual do Mangroovee, para gravar um trampo com o campeão nacional. Então não vamos nos alongar muito porque o conteúdo abaixo explica melhor toda a história do Basim e a rotina dele até a final da competição. Se quiser conhecer mais sobre os vídeos do mangue, o link do canal fica logo no final do post. Vida longa, DJ Basim. De São José do Rio Preto para o mundo.

DJ Basim | Essa Fita Memo

Acompanhe Arthur Verocai “No Voo do Urubu”, novo disco do maestro brasileiro

Em um ano marcado por várias tragédias e polêmicas mudanças políticas nos quatro cantos do mundão, a música continua cumprindo o papel dela e vem sendo o melhor remédio para amenizar o atual cenário do globo. Além da estreia de Mano Brown com o álbum Boogie Naipe, 2016 também chegou com novas obras assinadas por totens como De La Soul, A Tribe Called Quest, Common e Sabotage. Arthur Verocai é outro nome que seguiu o fluxo e, aos quarenta e cinco do segundo tempo, tirou da manga o disco No Voo do Urubu, que saiu pelo Selo SESC.

Com shows de lançamento marcados para os próximos dias 16 e 17, no SESC Pompéia, em São Paulo, o trabalho homenageia a cidade do Rio de Janeiro e marca a volta do mestre oito anos depois de lançar Encore, último registro de inéditas. Verocai climatiza o voo do urubu com dez faixas onde você confere Seu Jorge, Danilo Caymmi, Lu Oliveira, Vinícius Cantuária, Mano Brown e Criolo colaborando na maior categoria sobre os inconfundíveis arranjos do maestro brasileiro.

Entre todos os sons do repertório, destacamos o groove do instrumental Na Malandragem, além de O Tempo e o Vento, Cigana, O Tambor, Oh! Juliana, e Minha Terra Tem Palmeiras. Se você também é fã das composições escritas por Verocai nas décadas passadas para nomes do peso de Célia, Elis, Jorge Ben e Marcos Valle, sugerimos que encoste no player abaixo e confira como ele continua em grande forma ao lado de nomes mais novos da música brasileira.

Arthur Verocai

Ouça na íntegra o excelente disco Jota 3 – Amplificado por Digitaldubs

Conhecemos o trabalho do carioca Jota 3 há pouco tempo. O primeiro som dele que ecoou aqui no mangue foi a faixa Balada do Justiceiro, que traz a produção assinada por uma das nossas preferências, o DigitalDubs. Depois da audição de estreia, saímos no garimpo à procura de outros trampos assinados por ele e demos de cara com a certeira produção Não Corte Seus Dreadlocks, de 2013, onde o cantor divide as linhas com o britânico Pablo Rider e solta a voz sobre a base produzida pelos manos da Groove Corporation (G-Corp).

O single Tempo de Revolução, lançado há quatro meses, chegou para dar a letra que o melhor ainda estava saindo do forno. Eis então que semana passada, mais precisamente na sexta-feira, o rasta concebeu o excelente disco Jota 3 – Amplificado por Digitaldubs. Além da parceria de longa data com o Sound System do Rio de Janeiro, o álbum ainda traz as lendas jamaicanas Sly & Robbie, mais BNegão, Jeru Banto, Pedro Seletor, Twilight Circus, Vibronics e grande elenco nas 10 canções da trilha.

A reunião desse time foi responsável por dar vida, na nossa humilde e sincera opinião, ao melhor lançamento brasileiro do ano em matéria de reggae. Delays, echos, reverbs e grave muito bem equalizados, batendo forte da primeira até a última tune. Além dessa capa louca demais, o registro ainda une boa música e mensagem consciente na mesma receita. Ajude na propagação chegando nos players, compartilhando o som aí na sua área e colando nos shows. Vida longa, Jota 3.

Jota 3

Vídeos da semana: FloFilz, Síntese, MF Doom, Mano Brown, Karol Conka e Kool Keith

Após algum tempo sem atualizarmos o site com os melhores vídeos da semana, encontramos uma brecha nesta sexta-feira e passamos a peneira nos mais recentes uploads do Youtube. Iniciamos a viagem com Síntese e o single Deconstrução, que traz Rafael Kent assinando a direção do trabalho. Depois você confere o produtor alemão FloFilz ao lado da cantor Olivia Wendlandt of Relaén no registro da track Nuvem, além do vilão MF Doom e Kool Keith com o clipe de Super Hero.

Ainda selecionais o audiovisual de Karol Conká na produção Maracutaia e finalizamos o post na companhia de Mano Brown e Lino Krizz com o trampo do som Amor Distante. É só encostar nos players abaixo e entrar no clima do final de semana, gente boa. Valeu!





Síntese | FloFilz | MF Doom | Kool Keith | Karol Conká | Mano Brown | Lino Krizz