Programa Mangroovee #45: Feminine Hi-Fi, Mano Brown, Jota 3, Verocai e Os Brazões

Terminamos o ano passado ecoando a edição #48 do Programa Mangroovee por meio dos controles sonoros da Rádio Educativa. Então nada melhor que abrirmos os caminhos de 2017 aqui no site com outra sessão inédita da nossa saga, no caso, a de número 45, transmitida no dia 14 de dezembro. A antena da estação rio-pretense disparou nos quatro cantos da cidade lançamentos assinados por Mano Brown, Síntese​, Cachola, Jota 3, High Public Sound, Alpha Steppa, Feminine Hi-Fi, Arthur Verocai, BaianaSystem e IFÁ. Você também confere clássicos na conta de Clara Nunes, Os Brazões e Trio Mocotó.

Muito obrigado a todo mundo que fortalece o trabalho nesses seis anos de caminhada do mangue. Se estiver chegando agora, fique à vontade porque o ano apenas começou e vamos embalar 2017 com boa música.

Programa Mangroovee: Amiri, Bonobo, Laylah & Santa Groove, Toinho Melodia e Darondo

Encostamos na sede da Rádio Educativa FM no dia 9 de novembro para embalar nossa sessão de número 44 com lançamentos de Bonobo, IFÁ, Camaleão Transparente & Iguana 3D, Síntese, Laylah & Santa Groove e Amiri. Mas também voltamos alguns anos para resgatar faixas assinadas por Darondo, Os Mojo Workers, The Gaylads, The Heptones, Toinho Melodia, Aline Calixto e Al Campbell. Reggae, blues, funk, soul, rap e muito mais em outra sessão de uma hora comandada pelo mangue. Boa viagem!

Programa Mangroovee

Entrevistamos o DJ Basim, campeão do DMC Brasil 2016

Somando mais de 15 anos na caminhada como deejay, nosso camarada e conterrâneo Daniel Egide, o DJ Basim, é a essência do Hip Hop. Iniciou seus primeiros passos como dançarino da Super Sonic B. Boys, primeira crew brasileira a competir no mundial de breaking, em Hannover, na Alemanha, no ano 2000. Quase duas décadas depois desse feito histórico, o rio-pretense voltou até o velho continente para representar novamente o Brasil como um dos quatro elementos da cultura. Mas, agora, a história foi diferente e o sangue bom do Basa teve a missão de comandar os toca-discos na etapa mundial do DMC, o campeonato mais importante do mundo em matéria de turntable.

Aproveitamos a deixa e escalamos nosso irmão Plínio Rozani, diretor de toda a parte audiovisual do Mangroovee, para gravar um trampo com o campeão nacional. Então não vamos nos alongar muito porque o conteúdo abaixo explica melhor toda a história do Basim e a rotina dele até a final da competição. Se quiser conhecer mais sobre os vídeos do mangue, o link do canal fica logo no final do post. Vida longa, DJ Basim. De São José do Rio Preto para o mundo.

DJ Basim | Essa Fita Memo

Programa Mangroovee 43: Sabotage, Sean Kuti, Earth Disciples, Gilberto Gil e Dubatak

Encostamos na nossa modesta matriz para deixar vossa senhoria por dentro do episódio de número 43 do Programa Mangroovee, que foi transmitido pela Rádio Educativa FM no dia 26/10. Com três faixas retiradas do disco póstumo do Maestro do Canão, o primeiro bloco da sessão foi totalmente dedicado ao mestre Sabotage. Fora isso, você ainda confere faixas de IFÁ, Blitz the Ambassador, Sean Kuti, Azymuth, Jeff Boto, Derajah, Gilberto Gil, Nelson Cavaquinho, Chico Buarque, Mário Castro Neves, João Nogueira, Edson Frederico, Earth Disciples e Hopetown Crowford. Uma hora completa pautada pelo reggae, rap, afrobeat, brazuka e tudo aquilo que costuma trilhar o expediente do mangue. Pegue seu café, aperte o play e se gostar, compartilhe o trabalho na sua área. A firma agradece.

Programa Mangroovee #42: DV Tribo, Raphael Saadiq, Hiatus Kaiyote e Max Romeo

Boa tarde aí desse lado. Pode ficar totalmente à vontade e sintonizar os ouvidos no player abaixo para escutar Sabotage, DV, Hiatus Kaiyote, Raphael Saadiq, Charles Bradley, Rodrigo Ogi, Seu Pereira e Coletivo 401, Cabruêra, People Under The Stairs, Afu-Ra, Da Bush Babees, Peter Tosh, Burning Spear e Max Romeo.

A edição de número 42 do Programa Mangroovee chega em novo formato. Como vossa senhoria poderá conferir com os próprios tímpanos, agora, separamos a sessão por blocos. Chegamos com reggae, soul music, rap e música brasileira, além de tudo aquilo responsável por embalar nosso expediente em seis anos de caminhada. É só chegar no play, gente boa.

Programa Mangroovee #41: NxWorries, Brookzill, Phonte, Os Ipanemas e Dynamic Four

Bom dia aí desse lado, gente boa. As últimas semanas têm sido bem corridas e não estamos conseguindo atualizar o site com a frequência de sempre, mas seguimos abastecendo a matriz quando sobra um tempo por aqui. A bola da vez na quinta-feira do mangue é o episódio de número 41 do Programa Mangroovee, que chega com lançamentos de Kaytranada, Syd the Kid, NxWorries, Aaron Abernathy, Black Milk, Phonte, Brookzill, Red Lion, Ingles, Makalister e Charlie e os Marretas. Além deles, também selecionamos Os Ipanemas, Dynamic Four, Lucas Santtana, Dert, Marcos Valle, Dennis Brown e Resonators. Naquele nosso famoso esquema de sempre: uma hora de música, sem intervalos. Chega no play!

Programa Mangroovee #40: John Coltrane, EMEDZ6, Flying Lotus, Lay e Akrobatik

Ontem foi um dia muito especial na caminhada deste modesto endereço virtual. O Mixcloud passou a peneira em toda a rede e escolheu o Programa Mangroovee como um dos melhores do mundo em matéria de boa música. Estamos ao lado de nomes como Le Mellotron, RBMA Radio Panamérika, Pitchfork, Bondi Beach Radio e outros que são referências no nosso expediente. Só podemos agradecer a todo mundo que acessa o site, cola nas promoções, sintoniza na rádio e dá suporte ao trabalho. Nunca fizemos o corre por grana e não tem nada que pague um reconhecimento dessa altura.

E assim como mista Silvio Santos, colamos em ritmo de festa e climatizamos a tarde de vossa senhoria com mais um capítulo inédito da nossa empreitada ao lado da estação rio-pretense. A sessão de número 40 do mangue na Rádio Educativa FM homenageia John Coltrane e ainda traz nomes como Lessa Gustavo, Nego Max, EMEDEZE6, Don L, LAY, Akrobatik, Soul Jazz Orchestra, Alice Coltrane, Flying Lotus e Zimun. Se quiser conferir a página da premiação do Mixcloud, o link está disponível ao final do post. Muito obrigado.

Online Radio Awards

Programa Mangroovee #39: Aláfia, BaianaSystem, Mos Def, Chico Science e Paulo César Pinheiro

Passamos duas semanas sem atualizar a matriz com nossa sessão na Rádio Educativa porque tinham alguns outros trampos na frente. Porém, o trabalho em parceria encomendado pela estação rio-pretense continua a todo vapor e colamos agora por aqui com o programa de número 39, que foi ao ar no dia 14 de setembro.

Tita Lima, Paulo César Pinheiro, Aláfia, BaianaSystem, Chico Science e Nação Zumbi, The Apples, Zudizilla, Dirty Lion, Pok Sombra, Mos Def, Isaiah Rashad, O.C.L.A. e Criolo foram os responsáveis por climatizar a área da nossa cidade. Chega no play e compartilhe o registro para fortalecer o mangue.

O nêgo não para no tempo. Ouça o disco póstumo do mestre Sabotage

Entre todas as resenhas escritas durante os seis anos de Mangroovee, o texto sobre o lendário disco póstumo do Sabotage sempre foi a postagem mais aguardada de todas para colocar no ar por aqui. Além de esperarmos desde 2013, data do fatídico assassinato de Mauro Matheus, também tínhamos muita curiosidade sobre os versos inéditos e queríamos saber qual seria o resultado final da obra completa.

Porém, como o Instituto era responsável por assinar a produção, sabíamos que o Sabota chegaria programado pra rimar e esperamos pacientemente o álbum lançado no último dia 17. Depois de sete dias escutando sem parar, passamos o café no final do domingo e, finalmente, vamos atualizar o mangue com a nova trilha do Maestro do Canão.

biografia-de-sabotage

Assim como o próprio Sabotage rima no som Cabeça de Nêgo, ele comprova que o nêgo não para no tempo e desliza sua inconfundível levada em diferentes tipos de instrumentais nas 11 faixas do trabalho. Falando especificamente do repertório, as músicas Mosquito, O Míssil, O Gatilho, Canão Foi Tão Bom, Sai da Frente e Respeito É Lei não são novidades. A diferença é que agora a primeira vem embalada pelo trap do Tropkillaz, enquanto a segunda chega com uma nova base – cabulosa, por sinal – do DJ Cia e a terceira encosta com Céu, BNegão e Rodrigo Brandão nas participações.

Em relação aos sons que ainda não tinham feito nem sinal de fumaça até então, as inéditas Superar, País da Fome:Homens Animais, Maloca É Maré, Quem Viver Verá e Levada Segura embalam a outra metade do release e mostram que ainda tinha muito trabalho a ser feito por Sabotage. Dividindo o mic com Funk Buia e Rappin Hood, o rapper relembra os tempos de Dama Tereza na quinta faixa. Mas é na impressionante País da Fome:Homens Animais, que traz recortes de notícias sobre a morte do MC, onde ele chega com muita emoção e rouba a cena sozinho em seis minutos de música. Também destacamos as faixas 3, 4, 6, 9 e 11 como as que mais agradaram aqui pela área do mangue.

instit

O processo de lançamento do disco é outro fato digno de destaque. A produção executiva acertou em cheio ao escolher o Spotify como player exclusivo na hora de reproduzir o release. Como Sabotage teve uma morte precoce, deixando mulher e dois filhos para trás, a ação em parceria com a plataforma de streamming garante bons recursos financeiros para a família. O site também promoveu uma festa de boas vindas com direito à transmissão ao vivo no Facebook e convidou Rica Amabis, Tejo Damasceno, Daniel Ganjaman, Negra Li, DJ Zegon, DJ Nuts, Mr Bomba, Helião, Sandrão, Dexter, DBS, Lakers, Fernandinho Beat Box, Duani e vários outros nomes importantes para a realização do projeto.

Não sabemos aí desse lado, mas podemos garantir que por aqui a audição recompensou toda essa espera. Então fique à vontade e aproveite o lançamento musical mais aguardado dos últimos anos em nosso modesto endereço. Quem sabe não sai em vinil, né não? Sabotage Vive!

O disco do BROOKZILL! tá no ar. Confira a ideia que trocamos com o Rodrigo Brandão

Desde quando ficamos sabendo sobre o projeto BROOKZILL!, formado pelo R. Brandão (Mamelo S.S.), Ladybug Mecca (Digable Planets), Prince Paul (De La Soul/Gravediggaz) e Don Newkirk (Funk City), propagamos a mensagem emitida por eles. Escrevemos uma prévia sobre o trabalho aqui no site, colocamos os singles na programação da Rádio Educativa e também falamos várias vezes sobre o trabalho na página do Facebook.

Conforme foi chegando a hora do lançamento, acionamos o sangue bom do Rodrigo Brandão e conversamos com ele a respeito da primeira obra do combo. Gente fina até umas hora, o paulistano atendeu o mangue e falou sobre a pepita, a relação com os Orixás, o processo criativo, além da banca pesada presente nas participações especiais. Não vamos alongar demais porque a entrevista rendeu bastante. Enquanto você escuta o registro Throwback to the Future , leia a ideia e entenda melhor sobre o trampo em questão. AXÉ!

1 – Ano passado você apareceu com o 3rd World Vision, que trouxe vários nomes pesados da música nacional ao lado do Del The Funk Homosapien. A Ladybug Mecca também fez parte desse trabalho. É correto falar que o 3rd World foi o embrião do Brookzill?

Rodrigo Brandão: Na verdade, é o contrário: o 3rd World Vision surgiu quando o disco do BROOKZILL! estava 93% pronto, inclusive a faixa com o Del. Foi a parceria da gente que gerou o contato para ele vir até o Brasil pela primeira vez, em 2012, com o Deltron 3030. E aí, nessa ocasião o DJ PG jogou um vinil nacional na mão do Funky Homosapien e acendeu a fagulha que gerou o 3WV.

2 – Em relação ao processo criativo, você passou um tempo na gringa com os caras, eles vieram para o Brasil ou o trampo foi feito na base da distância? Explica aí como foi isso.

Rodrigo Brandão: Tanto eu fui quanto eles vieram. A gente fez questão de estar na mesma sala durante o processo todo. Nos inspiramos na magia inerente à música feita antes do advento da internet. Sabemos que a energia gerada pela presença de todos na sala é maior que nossos poderes individuais. Até por isso demorou para ficar pronto.

tab2

3 – O disco traz várias participações especiais. Fafá de Belem, Kiko Dinucci, Espião, Ogi, Del, Count Bass D, Juçara Marçal, Elo, Brian Jackson, entre outros. Como foi reunir toda essa banca?

Rodrigo Brandão: Foi natural, porque o santo bateu em todos esses casos, na maioria deles é amizade de longa data. Considero uma benção gigante! Foi um prazer, viver música com quem me inspira é das maiores alegrias do Ayê! Mas também foi necessário: a gente sempre atendeu aos pedidos da canção e boa. Se a faixa tem cantora convidada, outros MCs, três percussionistas, é porque a gente ouviu isso no som. Jamais fizemos escolhas deliberadas ou pautadas pelo potencial comercial. A música é quem manda!

4 – A trilha traz várias referências aos Orixás e alcança o ponto alto nesse sentido na excelente faixa Terreiros, que fala sobre os três tambores da Curimba e vários nomes de entidades. Até que ponto a vivência no candomblé influência você na hora de escrever?

Rodrigo Brandão: Influencia 100%! São os Orixás que trazem a inspiração, dão o AXÉ, abrem os caminhos e tornam tudo Odara! Sem Eles, nem teria o som.

5 – Saindo um pouco do tema central e continuando no lado espiritual, gostaríamos de saber quais discos nacionais você indicaria para quem tiver afim de entender melhor a relação entre música brasileira e Orixás.

Rodrigo Brandão: É uma gama muito vasta de música maravilhosa feita no Brasil em louvor aos Orixás, mas lá vai uma trinca básica:
Os Afro-Sambas de Baden Powell & Vinícius De Moraes (1965, Forma).
– Orquestra Afro-Brasileira (1968, CBS).
Os Orixás (19xx, Som Livre).

6 – A gente se ligou que o álbum vai sair em vinil. Tem alguma previsão de lançamento para o disco físico? E Assim como rolou com o 3rd World, podemos esperar algumas datas com todo o time reunido em solo brasileiro?

Rodrigo Brandão: Já existe uma conversa entre a Tonmy Boy(gravadora responsável pelo trabalho) e um distribuidor brasileiro especializado em vinil, há de acontecer. Quanto aos shows, é um sonho que vai virar verdade na hora certa.

BROOKZILL!