DJ Spinna ministra uma aula de boom bap na trilha 1996 Beat Tape Vol. 1. Ouça

Embalada somente por instrumentais produzidos pelo DJ Spinna em meados de noventa e seis, a trilha 1996 Beat Tape Vol. 1 é o mais novo lançamento do selo Redefinition Records, ou apenas Redef. Disponível em acetato e também no formato cassete, o registro traz o deejay/produtor oriundo do bairro do Brooklyn, nos EUA, ministrando uma verdadeira aula de como tirar um som com as máquinas EmuSP-1200 e Akai S950. Com caixa e bumbo batendo em perfeita sintonia nas 18 faixas, o repertório da fita de batidas não para de tocar no expediente do mangue e acreditamos que também vai ser uma boa para climatizar a terça-feira nublada de vossa senhoria. Até o momento, a gravadora do mestre Damu The Fudgemunk liberou o lado A da tape para streamming no SoundClound. Você pode escutar exatos 18 minutos e 22 segundos de DJ Spinna on the beat no player abaixo para entender por que ele é requisitado em trabalhos assinados por Spike Lee, Stevie Wonder e Mos Def.

DJ Spinna | Redef Records

Mangroovee no Ar #53: Especial Dia das Mulheres

Transmitido pela Rádio Educativa FM 106,7 em 8 de março, no dia das mulheres, a edição especial do Mangroovee no Ar embalou uma hora de sessão na estação rio-pretense somente com artistas brasileiras. Passamos a bola para Gal Costa, Joyce, Rosinha de Valença, Thalma de Freitas, Céu, Lurdez da Luz, Marietta Massarock, Luana Karoo, Yzalú, Tássia Reis, Laylah Arruda, Maria Elvira, Flora Matos, Karol Conka e Soraia Drummond. Você só precisa apertar o play abaixo para conferir como foi o episódio em questão. Se gostar, compartilhe nosso trabalho aí na sua área. O mangue agradece!

Ronald Rios entrevista o produtor Nave na websérie Rap Cru

Comandada pelo Ronald Rios, a série Rap Cru é, ao lado de produções como Programa Freestyle e Quado em Branco, uma das melhores atrações da rede em matéria de rap nacional. O ex-integrante do CQC já entrevistou Rodrigo Ogi, Emicida, Kamau, Thaíde, entre outros, além de dedicar alguns episódios falando sobre clássicos assinados por Wu-Tang Clan, Kanie West e Notorius BIG. O mais recente episódio da saga apresenta o carioca trocando ideia com o produtor Nave, que faz parte do excelente duo Savave e coleciona trabalhos com Marcelo D2, Karol Conka, Flora Matos, Rael e grande elenco. O Ronald entende sobre o que tá falando e desenrola dahora a ideia com o curitibano. Aperte o play para conhecer melhor a história de um dos melhores produtores do país.

Rap Cru

Ouça a faixa Boca de Groselha, primeiro single do próximo disco do Curumin, Boca

Ao lado de nomes como Chico Science, Jorge Ben, A Tribe, Bob Marley e Contra Fluxo, o mestre Curumin está fácil entre as maiores referências aqui do Mangroovee. Acompanhamos o trabalho dele desde os tempos do MySpace e estamos ansiosos para conferir o próximo registro do músico, o álbum Boca, que vai sair em maio e traz as participações de Russo Passapusso e Rico Dalasam. Enquanto a produção ajusta os últimos detalhes do lançamento, o paulistano acabou de soltar a primeira pista do que vem por aí. Estamos falando sobre o single Boca de Groselha, que acabou de ser liberado pelo selo Natura Musical e está a um clique do alcance de vossos ouvidos. Link disponível logo depois do retrato. Aproveita!

Clique aqui para escutar o single Boca de Groselha

Curumin

Conheça a mistura sonora da banda mineira Filhos de Sandra

Apresentando Hot e Oreia, dois dos emcees mais originais do país, no comando dos microfones, a banda Filhos de Sandra faz um som permeado por vários gêneros musicais presentes aqui na matriz do mangue. O grupo da capital mineira tem o rap como ponto de partida, mas acrescenta na mesma panela ingredientes temperados com especiarias do reggae, rock, jazz, afro e brazuca. Além dos integrantes da DV Tribo, o projeto ainda traz os instrumentistas Chuck, Jean Clo, Dedé, Pedrão e Fantini, que também fazem parte de outros combos da cena alternativa de Belo Horizonte como Absinto Muito, Dom Pepo e Ménage.

Já tínhamos visto alguns trabalhos dos mineiros, mas só nos ligamos no tanto que o som é louco na semana passada, quando eles lançaram um vídeo embalado por três faixas. A primeira delas, Xangô, chega no melhor estilo afrobrazuca e abre os caminhos para Hot soltar a voz com muita categoria em cima do instrumental. Depois eles convidam o baiano Baco para fazer o som 999 e ainda finalizam a sessão com didgeridoo na chapada produção LSDMTHC. A sintonia de longa data entre os dois vocalistas, além da excelente cozinha pilotada pela banda, faz o som dos caras sair de maneira verdadeira e ecoa diferente de boa parte do que costuma ser encontrado em solo brasileiro.

Aproveitamos a oportunidade e também abastecemos a postagem com mais dois trabalhos do projeto, as músicas Zandra e Consome. Caso você goste do som, vale a pena fazer o garimpo e ficar por dentro dos trabalhos paralelos dos integrantes.

Filhos de Sandra

Escute na íntegra o álbum Return To The 37th Chamber, novo disco do projeto El Michels Affair

Firma responsável por distribuir trabalhos da qualidade de Lee Fields & The Expression e Bacao Rythm & Steel Band, o selo Big Crown Records lançou recentemente, mais especificamente no dia 14 de abril, o disco Return To The 37th Chamber,do El Michels Affair. Como o próprio nome já da a letra, o álbum é a continuidade do registro Enter The 37th Chamber, de 2009, e marca a volta do multi-instrumentista Leon Michels à frente do projeto. Integrante do grupo Menahan Street Band e acostumado a colaborar com artistas do calibre de Sharon Jones e Aloe Blacc, o músico entrega novamente outro excelente registro pautado por versões inéditas para instrumentais do Wu-Tang Clan. 

Disponível em quatro opções diferentes de artes, o vinil traz participações de Lee Fields e Lady Wray , e ainda embala a viagem com metais, guitarras e, é claro, tradicionais instrumentos chineses, que é marca registrada na sonoridade do WU.  Entre as 13 canções do repertório, destacamos as novas interpretações para Snake, do Ol Dirty Bastard, e Verbal Intercourse, do Raekwon, Pork Chop Express e 4th Chambers, além do vídeo do single Iron Man – disponível no player abaixo.  Você pode – e deve –  conferir o trabalho na íntegra e assistir ao trailer da trilha. Se quiser ter o material na sua coleção, é só escolher vosso formato preferido e correr pro abraço.



El Michels Affair | Big Crow Records

 

 

 

Mangroovee no Ar #52: Jay Dilla, Elza Soares, Brazilian Groove Band e Bob Marley

Seguimos firme e forte na batalha aqui desse lado para deixar vossa senhoria por dentro de tudo o que ecoou na edição de número 52 do Mangroovee no Ar. Transmitido pela Rádio Educativa FM no dia 8 de fevereiro, o capítulo em questão prestou homenagem aos totens Jay Dilla e Bob Marley, que completariam aniversário na semana em que nossa atração foi ao ar. Enquanto o primeiro bloco embala o radinho com produções de Jay Dee para The Pharcyde, Little Brother e Mood, o segundo chega com três clássicos de autoria da lenda jamaicana. Completamos a missão na tranquilidade e ainda selecionamos a rainha Elza Soares, Baiana System, Brazilian Groove Band e Helio Matheus. Você só precisa apertar o play para deixar a quinta-feira muito melhor.

História de Disqueiro é a nova série da LRG Brasil e do selo Somatória do Barulho

Além de resgatar verdadeiras bombas dos bailes tupiniquins na série de compactos Candonga, a Somatória do Barulho também trabalha sério a serviço da música brasileira lançando represses de discos do peso do clássico Rap é Compromisso, do Sabotage, Eis o Omê, de Noriel Vilela, e Coleção Nacional, do Instituto. Capitaneado pelo camarada YôKa – cabeça pensante por trás do excelente projeto Pássaro Imigrante -, o selo preparou em conjunto com a LRG Brasil uma série de ações bem loucas para comemorar o Record Store Day, celebrado mundialmente no dia 22 de abril.

O primeiro resultado da parceria foi uma série de vídeos onde DJ Abud, Rodrigo Brandão, DJ Formiga, Hugo Frasa, Luba Construktor e Peba Tropikal relatam boas histórias que aconteceram na hora do garimpo. A collab entre as marcas também deu origem a uma camiseta, uma ecobag para os discos e um pôster ilustrado com a arte assinada por João Lavieri. Se você quiser arrematar seu pack, é só acessar o link ao final do post e garantir vosso kit – por honestos R$79,90 – na pré-venda. Como se isso não bastasse, ainda vai rolar na próxima sexta-feira festa de lançamento da collab na Patuá Discos com direito a discotecagem do mestre DJ Nuts. Grande oportunidade para vossa senhoria escutar boa música, ficar no style e ainda aumentar a coleção de long plays por aí. Vai perder?





Somatória do Barulho | LRG Brasil | Pré-venda Kit LRG x SDB

Trocando ideia #16: O singjay Likkle Jota e a cultura Sound System

Oriundo da cidade de Coroados, no interior do Estado de São Paulo, Likkle Jota é um dos singjays – combinação de cantor e deejay – que vem ganhando cada vez mais espaço nos bailes promovidos por diferentes equipes de todo o país. Depois de passar alguns anos residindo em Campinas, o cantor mudou-se de vez para a capital paulista, onde coleciona apresentações ao lado de nomes como Quilombo Hi Fi e SmokeDub Posse, além de lançar os discos Ioruba Nation, de 2016, e Style N Fashion, que foi retirado do forno no último mês de março. Likkle ainda traz no currículo faixas com instrumentais assinados por Jeff Boto (Dubatak) e dubplates cortadas para sistemas de som como DeSkaReggae, Favela SS, Paz & Dub e Muamba Sounds.

Trocamos uma ideia com o protagonista da história sobre o início da caminhada, cultura Sound System, referências musicais e por aí vai. Aperte o play para conhecer o trabalho enquanto você lê mais uma entrevista na matriz do mangue.

1 – Você canta muito bem nas produções de reggae digital e também chega pesado nas sessões ao lado dos sistemas de som. Quando começou sua caminhada na música jamaicana e como surgiu a parceria com os Sound Systems?

Likkle Jota: Primeiramente, quero mandar um grande salve ao Mangroovee. É uma honra poder trocar essa ideia com vocês. Eu canto já faz um tempo e tive a chance de trabalhar com gêneros musicais como rap, samba, mpb, entre outros. Até que em 2013, quando fazia parte de um grupo chamado A RUA’NDA, fui em uma festa em Campinas, onde Flavio Rude, do Muamba Sounds, estava tocando reggae music. Me liguei que ele lançava vários instrumentais e perguntei se podia cantar. Desde então nunca mais parei. Ele me apresentou boa parte do que conheço hoje em matéria de Sound System. Também comecei a vir para São Paulo e o primeiro sistema que vi em ação foi o KASDUB, na pista de skate em Tiquatira.

2 – Ainda falando sobre a cultura Sound system, na sua opinião, qual a importância dela para o cenário do reggae nacional?

Likkle Jota: É crucial em vários aspectos. O sistema de som agrega conhecimento, referências históricas e um grande acervo musical. Acredito que as músicas tocadas nas vitrolas das festas de reggae trazem uma realidade mais próxima daquilo que vivemos no nosso cotidiano. Isso faz com que a gente coloque em prática algumas atividades que os jamaicanos também fizeram na ilha, mudando, de uma certa forma, a mensagem que chega até a sociedade.

3 – Quais são suas principais referências em matéria de emcees e produtores na música jamaicana?

Likkle Jota: Tenho como referência muitos singjays, gosto da gama de cantores vindos da Jamaica. Eccleton Jarret, Garnet Silk, Dennis Brown, Junior Reid, Nitty Gritty e outros. Além dos grandes deejays que me fogem a conta. Tenho muito respeito pelo trabalho do Knomoh (Quilombo Hi Fi), que foi quem me acolheu, produziu meus trabalhos e de vários outros artistas brasileiros. Falando sobre as produções internacionais, gosto muito do Mad Professor, Martin Cambpell e King Tubby. São mágicos.

4 – Você já comandou o microfone em diferentes bailes no Brasil. Entre todas essas combinações de som, qual foi a sessão que mais ficou marcada na memória?

Likkle Jota: Essa é difícil. Se tratando das sessões ao lado dos sounds, é muito raro quando não bate pesado. Todo baile tem sua particularidade, aquele momento que fica cravado na mente, principalmente quando canto com pessoas que deram inicio à divulgação dessa cultura no Brasil, os professores. Agradeço todas as oportunidades que foram concedidas até agora.

5 – O disco Style N Fashion apresenta novamente sua dobradinha com o produtor paulistano Jah Knomoh, que também trampou ao seu lado no registro Ioruba Nation, de 2016. Qual a importância dele em todos esses processos?

Likkle Jota: O Knomoh foi o primeiro produtor a acreditar no meu trabalho. Ao longo do tempo criamos uma amizade, morei na casa dele e vimos que gostamos de muitas coisas em comum. Somos pretos e temos a natureza como referência da luta e da força maior. Ele me ajudou muito na evolução como cantor e me ensina constantemente sobre vários aspectos do Sound System. Respect, Knomoh.

6 – Como foi todo o processo do seu mais recente álbum, Style N Fashion, e qual foi a sensação de colocar o registro na rua?

Likkle Jota: Após o lançamento de Ioruba Nation, de 2016, que é um disco mais voltado para a mensagem, bem roots music, tive a necessidade de criar algo que fizesse o povo esquecer um pouco dos problemas. Vivemos em uma babilonia que entristece, precisamos de um momento de diversão para o Eu e Eu. Resolvi homenagear os anos 80 do reggae, trazendo como referencia produções, temas e melodias da época. Após um trabalho de seis meses com riddins nacionais e internacionais, me vi na obrigação de colocar o trabalho na rua e nas plataformas digitais. Todo esse processo é muito difícil para artistas independentes, então criei um material humilde, mas de respeito, que estou entregando nos shows. A sensação final de dever cumprido é maravilhosa. Estou muito feliz com o resultado.

7 – Agora é com você, Likkle. Quem tiver afim de ter uma dubplate e levar o LJ para cantar no baile precisa fazer como? Quais são os seus contatos?

Likkle Jota: Muito obrigado pelo suporte, Mangroovee. Geral pode escutar minhas músicas nas plataformas digitais. É só pesquisar Likkle Jota no YouTube, SoundCloud, Spotify, Google Play, iTunes e por aí vai. Contatos para shows e dubplates: descendentedeleao@gmail.com ou pelo telefone (11) 9 4221-7442. Big Up e saúde a todos.

Likkle Jota

Vídeos da semana: NxWorries, 8 Barras, Karriem Riggins, Criolo e Evidence

Hoje é feriado, mas nós seguimos trabalhando aqui no perímetro do mangue para deixar vossa senhoria por dentro de alguns bons lançamentos que apareceram pelos lados do YouTube nos últimos sete dias. A gravadora californiana Stones Throw desembarca no site com três dos nossos artistas preferidos presentes no time do selo. Anderson .Paak e Knxwledge chegam representando o projeto NxWorries no vídeo da faixa Scared Money, além de Karriem Riggins com o trabalho audiovisual da música Bahia Dreamin´. Aproveitamos a passagem pelo ensolarado estado da terra do Tio Sam para garimpar a produção Throw It All Away, do Evidence (Dilated Peoples), que saiu há mais de uma semana, mas não conseguimos atualizar o site na sexta passada.

Depois é hora de voltar até terras brasilis, mais precisamente na cidade de Ponta Grossa, no Paraná, e climatizar o ambiente com o boom bap do segundo capítulo da série 8 Barras, que traz Bianca Hoffman(Philliaz), Adriano, Guilherme Guinomon e Tomate (Forma Única). Encerramos na cadência do samba Menino Mimado, onde Criolo encosta ao lado de vários instrumentistas da música brasileira e passa a visão sobre a corja burguesa de nariz empinado que vem comandando nosso país. Se gostar das indicações, compartilhe o trabalho aí na sua área. Valeu!!!





NxWorries | Forma Única | Philliaz | Karriem Riggins | Criolo | Evidence